Vereadora se solidariza com funcionários da Energisa por deflagração de greve

por Clarisse Oliveira — publicado 11/12/2019 13h45, última modificação 11/12/2019 13h47
Colaboradores: Fotos: Juliana Santos
Raíssa Lacerda (PSD) ainda destacou projeto contra discriminação a doadores de sangue; aumento de locais de caminhada na praia; e reforma de pista de Bicicross

A vereadora Raíssa Lacerda (PSD) se solidarizou com os funcionários da empresa concessionária de energia elétrica na Paraíba, a Energisa, por deflagração de greve, nesta quarta-feira (11). Segundo a parlamentar, os funcionários “sofrem com a falta de valorização da categoria por parte da empresa”. 

Raíssa Lacerda lembrou que desde 2009 combate o aumento das tarifas de energia elétrica, mas que a reclamação é direcionada a quem determina os acréscimos nas contas. “Eu brigo com os diretores, não com aqueles que vão na sua casa mudar o medidor que aumenta sua conta. Os aumentos são determinados pelos grandes da empresa, não pelos funcionários. Minha solidariedade ao pequeno e humilde trabalhador da empresa”, solidarizou- se a vereadora.

“Vou combater os aumentos absurdos da Energisa, como sempre fiz, denunciando a máfia do fio preto, e também os aumentos nas tarifas da Cagepa. Continuaremos na defesa do consumidor. Estarei sempre ocupando essa tribuna em prol dos munícipes de João Pessoa e sempre à disposição do povo”, enfatizou. 

Vereadora defende PL contra discriminação na doação de sangue

A parlamentar também defendeu projeto de sua autoria que pretende proibir perguntas referentes à orientação sexual durante questionários para doação de sangue. A vereadora argumentou que, como todo sangue colhido é testado para verificação de doenças, a pergunta constrange o doador e pode inibir a doação. Raíssa Lacerda já esteve na tribuna da Casa explicando a matéria, que está esperando o parecer da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e do Consumidor (CCDHC) para ser apreciado em plenário.

“O projeto quer proibir qualquer tipo de preconceito na doação de sangue. Cerca de três milhões e meio de pessoas estão deixando de doar sangue. Todo sangue é verificado, exames são realizados antes da transfusão, portanto, não tem necessidade desse questionário que constrange. Quando você se dispõe a doar sangue, você quer doar vida, e não passar por constrangimento”, declarou Raíssa, ressaltando que já há decisão judicial em favor da proibição, e que a matéria já tem parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Legislação Participativa (CCJ) e da Comissão de Políticas Públicas (CPP).

A presidenta da CCDH, vereadora Sandra Marrocos (PSB), sinalizou ser favorável ao projeto. “Parabenizo pelo trabalho de combate à discriminação e ao preconceito. Neste caso, acontece com pessoas com tatuagem e cidadania LGBT. Se o sangue vai passar pelo critério clínico para saber se é apto ou não, esse questionário é inibidor. Pode contar com o meu voto favorável na comissão, bem como no plenário”, antecipou.

Calçadão na praia incentiva a prática de atividades físicas 

Raíssa Lacerda reafirmou seu trabalho junto ao incentivo da prática de atividades físicas. “A interdição da avenida do Bessa, das 5h às 8h, para caminhada, foi conquista do nosso mandato. Esporte é saúde e essencial para tirar as pessoas do sedentarismo. Lutamos também, juntamente com o vereador doutor Luís Flávio (PSDB), para aumentar o local de caminhada do Mag Shopping até o Iate Clube. Fui moradora do Bessa por 17 anos, onde fiz grandes amigos, e vou continuar lutando pelo bairro”, garantiu.

Reforma de pista de Bicicross

A vereadora ainda agradeceu ao prefeito da Capital, Luciano Cartaxo (PV), pela reforma da pista de Bicicross, localizada no bairro Mangabeira. De acordo com a parlamentar, era uma demanda dos atletas do esporte, principalmente de Flávio Alexandre, conhecido como Tubiba, campeão brasileiro de bicicross. “Quanto mais ações desportivas tivermos, mais jovens longe das drogas vamos ter”, aparteou Carlão.